Treinador do Nacional quer uma equipa «inteligente em Guimarães»

Foto: DR

O técnico do Nacional, Luís Freire, desejou hoje que a sua equipa “seja forte em todos os momentos do jogo”, na antevisão do jogo com o Vitória de Guimarães, relativo à 12.ª jornada da I Liga de futebol.

O Nacional e Vitória de Guimarães vão regularizar o calendário da I Liga, disputando na quinta-feira um jogo que se deveria ser ter realizado em 02 de janeiro.

“A verdade é que temos mais três pontos para disputar e por esse lado é positivo. Ficámos com a sensação de que no último jogo poderíamos ter levado pontos e não levámos. Não tivemos tanto tempo para o preparar, mas já é a segunda vez que o fazemos. Temos a viagem e temos de ter cuidado a nível físico, pois vamos com uma sequência de jogos já grande. Mas faz parte do nosso trabalho”, aferiu.

Na última partida, o Nacional criou várias situações para golo, mas não concretizou nenhuma, o que levou o treinador a defender que a equipa tem de se “focar” naquilo que é o seu “processo de jogo, com capacidade de ser uma equipa forte em todos os momentos de jogo”.

“Aquilo que conseguimos criar, e no último jogo conseguimos criar várias (oportunidades), e queremos manter essa bitola, mas também (ser) fortes na perda da bola, reagindo forte e melhorando a nossa capacidade defensiva, com critério na saída”, analisou o técnico da equipa madeirense.

Luís Freire está consciente das dificuldades que encontrará perante uma das equipas mais fortes do nosso campeonato, “uma excelente equipa, com muita qualidade do meio campo para a frente, com jogadores que desequilibram bastante”. “Mas a qualidade é global e estão a fazer um grande campeonato”, disse sobre o seu antagonista.

Em termos individuais, focou “o Quaresma, o Rochinha, o Edwards, bem como o Estupiñán que tem estado numa forma fantástica, bem como o André André e o André Almeida que chegam bem à área”.

O Vitória de Guimarães não compete há 12 dias, facto que Luís Freire desvaloriza em parte: “É verdade que há esse dado, bom para eles, que fisicamente estão mais leves e vão jogar em casa. Mas também já não competem há 12 dias e isso, às vezes, em termos competitivos também não é positivo. Nós estamos sempre a jogar e isso em termos competitivos é bom, mas em termos físicos temos de ser muito cuidadosos e ser inteligentes em Guimarães”.

A concluir, Freire disse que o Nacional “tem de estar à altura” e “focado naquilo que tem para fazer”, com o restante a “vir como consequência”.

Depois do jogo com o Vitória de Guimarães, o Nacional defronta o Benfica, num encontro que poderá ser adiado face ao surto de Covid-19 na equipa da Luz.

“A mensagem é clara. Vivemos uma situação grave e crítica de pandemia que já atingiu proporções muito grandes. Neste caso, calhou ao Benfica e vamos ter de esperar e nos adaptar se for necessário”, confidenciou Luís Freire

O Nacional, 14.º, com 13 pontos e menos um jogo, desloca-se na quinta-feira ao Estádio D. Afonso Henriques, em Guimarães, onde a partir das 20:15, defronta o Vitória de Guimarães, sexto com 20 e também menos um jogo, em partida em atraso relativa à 12.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol, adiada pelo surto de Covid-19 que afetou o plantel vimaranense, que será arbitrada por André Narciso da AF de Setúbal.

Deixe um comentário