Marakis: «Sofremos um golo em fora de jogo»

Foto: Rui Minderico

Quatro jornadas sem vencer. O alerta soou no balneário do União da Madeira. A derrota frente ao Leixões deixou marcas, principalmente porque, no entender dos responsáveis do clube e dos jogadores, o primeiro golo leixonense foi obtido em situação irregular, pois o marcador estava em fora de jogo. O capitão Marakis due conta deste “grito de revolta”.

“Estamos todos conscientes da fase que estamos a passar, infelizmente, devido a coisas que não podemos controlar, falando mais claro, na semana passada tivemos uma expulsão injusta, agora, no domingo, numa altura em que dominávamos o encontro, sofremos um golo que foi apontado em posição irregular, pois o jogador estava fora de jogo. Mas nem tudo está mal nesta fase, nem tudo estava bem quando olhávamos mais para cima na classificação. Estamos a olhar para dentro do grupo e temos consciência do que teremos de melhorar, sabendo que só com trabalho poderemos dar a volta a esta situação”, começou por afirmar.

Depois, este médio não concorda que a exibição frente aos homens do mar tenha sido a menos conseguida até ao momento: “Não diria que foi a pior exibição. Tivemos várias oportunidades para marcar, lutámos, corremos, houve coisas que não saíram bem, mas para mim não foi a pior exibição. Houve fatores que influenciaram o jogo e o resultado final, pois sofremos um golo quando dominávamos a partida”. Apesar de sentir injustiça, o pupilo de Paulo Alves foi claro no que há a fazer para alterar o rumo das coisas: “Temos sentido alguma injustiça em termos de arbitragem, mas são coisas que não podemos controlar. Temos é que olhar para dentro do grupo e ver o que teremos de fazer para corrigir o que está mal”.

«Vamos inverter a situação»

No próximo domingo, os madeirenses jogam na Sertã, frente ao Sertanense, e querem continuar em prova na Taça de Portugal. “Entramos sempre com o objetivo de vencer em todos os jogos. É essa nossa atitude no campo, sabendo que nem sempre é possível. Sabemos o que temos de emendar e vamos com tudo para vencer este jogo” revelou o trinco. E quanto a pressões: “Não estamos a jogar pressionados. Vamos inverter a situação, já houve exemplos passados, em que tudo estava 10 vezes pior e sempre demos a volta por cima”.

Exposição ao Conselho de arbitragem

Os dirigentes unionistas sentem-se revoltados com a arbitragem de António Nobre (AF Leiria) e fizeram mesmo uma exposição ao Conselho de Arbitragem, nomeadamente, para o seu presidente José Fontelas Gomes. Os azuis e amarelos enviaram um vídeo com o resumo do jogo, onde mostram a irregularidade que deu origem ao primeiro golo do Leixões e que no entender dos madeirenses teve influência no desenrolar da partida.

Dois jogadores tentam agradar

Hoje, os titulares frente aos nortenhos fizeram treino de recuperação ativa, enquanto os restantes, disputaram pequenos jogos em campo reduzido. De referir, que na sessão que decorreu no relvado da DRJD, na Camacha, marcaram presença dois futebolistas, cujos nomes não foram revelados pelos dirigentes do clube mas que estão a tentar a agradar a Paulo Alves, que de um momento para o outro, ficou com um grupo muito reduzido face a lesões. Ambos os futebolistas devem ser atacantes (extremos), sendo que um é português (Tiago) e o outro é brasileiro (Mateus). Amanhã, a equipa faz dois treinos, ambos agendados para o seu complexo: às 10 e 16 horas.

Deixe um comentário