Joel assume que foi difícil falhar penáltis no momento difícil do Marítimo

Foto: (ASPress/Helder Santos)

O avançado Joel Tagueu afirmou ontem que foi difícil falhar duas grandes penalidades que poderiam ter resultado em mais pontos para o Marítimo, que realizou na presente campanha o pior arranque de sempre na I Liga de futebol.

O ponta de lança camaronês desperdiçou duas grandes penalidades em duas partidas distintas. A primeira nos Açores, para a quinta jornada da I Liga, quando os ‘verde rubros’ venciam por 1-0, tendo o conjunto insular terminado derrotado por 2-1. A segunda decorreu na visita ao Boavista, na nona ronda, que resultou no primeiro ponto arrecadado pelos madeirenses (1-1), mas que poderia ter sido a primeira vitória.

“Foi difícil. Ninguém quer falhar penáltis, mas até os melhores falham. É só não baixar a cabeça e continuar a trabalhar”, adiantou Joel Tagueu aos jornalistas no final de uma visita do Marítimo à Escola Básica e Secundária Dr. Luís Maurílio da Silva Dantas, em Câmara de Lobos, para uma ação solidária em conjunto com o plantel feminino que disputa igualmente a I Liga de futebol.

O emblema insular conquistou a primeira vitória na última ronda na casa do Paços de Ferreira (1-0), o que permitiu aos ‘leões’ da Madeira trocar de posição com os ‘castores’, subindo uma posição e escapar ao último lugar da tabela.

“Foi importantíssimo. Era só de uma vitória que precisávamos para estar mais confiantes e poder continuar a caminhar rumo ao nosso objetivo”, explicou o avançado, que cumpre a quinta temporada ao serviço do Marítimo.

O atleta de 28 anos sublinhou que o plantel não esteve ‘surdo’ perante as críticas, mas que deram sempre o seu melhor em prol do clube, admitindo a fase complicada que atravessaram, mas destacando que as coisas estão a ficar melhores e que “uma vitória, como é natural, deixa os jogadores mais leves e confiantes”.

Joel Tagueu não foi opção inicial para o embate na Capital do Móvel, tendo o avançado Chucho Ramírez ocupado a posição e apontado o único golo no encontro. O internacional pelos Camarões garantiu que encarou a situação com toda a naturalidade.

“Somos jogadores. Ninguém assinou um contrato que diz que vai jogar todos os jogos. Se ele está num melhor momento, joga. Tenho de me concentrar e dar o meu melhor para ajudar a equipa. Neste momento a força da equipa sobrepõem-se ao individual”, frisou.

Apesar do ciclo negativo que atravessou, o Marítimo tem conseguido trazer muitos adeptos ao seu recinto desportivo, tendo a última partida, disputada diante do Arouca (1-1) registado a melhor casa na temporada com cerca de 9.000 espetadores, 85% da capacidade do estádio.

“Acho que é de apreciar e elogiar o comportamento dos adeptos e lhes dizer que podem ter a certeza que vamos dar o nosso melhor para poder conquistar pontos”, ressalvou o atleta que atua no setor ofensivo.

O Marítimo, penúltimo classificado, com cinco pontos, recebe no domingo, às 18:00, o Famalicão, que se encontra na 14.ª posição, com 10, para a 12.ª jornada da I Liga de futebol.

Questionado sobre o embate ante os famalicenses, Joel Tagueu respondeu que as expectativas são sempre as mesmas, “jogar para ganhar, porque a equipa precisa de pontos para crescer na classificação”.

Deixe um comentário