Sócios do União incrédulos marcam nova assembleia geral para o clube

Foto: DR

A Assembleia Geral do CF União, realizada neste sábado, está envolta em mais uma polémica e motivou um rol de críticas e acusações por parte dos sócios presentes. As maiores críticas vão para o presidente do clube, Filipe Silva, e presidente da assembleia geral do CF União, Brazão de Castro, este que fez chegar em mão uma carta sem assinatura da sua demissão, mesmo na hora do início dos trabalhos.

De maneira a resolver a grave situação do clube e numa decisão dos sócios “presentes, que querem urgentemente ver resolvida a situação do clube, foi decidido votar por unanimidade realização uma nova assembleia geral do clube para daqui a 10 dias, às 09h30, no mesmo local e com o mesmo ponto de ordem de trabalhos”, ressalva, ainda, um sócio ao JM.

Também por “votação dos sócios presentes, presidiu a esta reunião o sócio Pedro Câmara”, que liderou e colocou e votação a ordem de trabalhos que estava agendado para este sábado, em assembleia geral. Segundo este sócio relatou ao JM, que prefere manter o anonimato, a carta de demissão de Brazão de Castro “está já ferida de ilegalidade. Pela mão da esposa do Dr. Brazão de Castro, foi entregue aos sócios presentes na AG um documento sem assinatura de uma demissão do presidente e da presidência da AG do clube desde o dia 11 de março”, começa por referir este associado. “Existe, aqui, alguma incerteza e alguma ilegalidade sobre este ato do presidente da Assembleia Geral”. Como o clube não pode parar e tem de seguir em frente, Pedro Câmara presidiu a uma reunião, “tendo sido nomeado pelos sócios presentes, que decidiram pela marcação urgente de uma nova AG.”

DEIXE UMA RESPOSTA